Publicado em

Um jabá indigesto | Sobre o caso CONAR, Sephora e blogueiras de moda

BY: ABBV15 COMMENTS CATEGORY: Mercado

Por Janaína Calaça |

Na minha terra, jabá é sinônimo de carne seca. Com jerimum, ele fica ainda mais gostoso. Mas jabá também é um termo que nasceu na indústria musical e que agora é relacionado ao meio da publicidade. O termo é pejorativo e quem faz jabá, sem sinalizar que está fazendo, pode acabar com uma tremenda indigestão, daquelas que nunca tive comendo carne seca com jerimum.

 Recentemente, estava passando os olhos pelo Twitter, quando uma “manchete” me chamou a atenção: “Conar vai investigar post pago em ação da Sephora em blogs de moda”. O link associado à “manchete” me levou até uma matéria publicada na Istoé Dinheiro (uma dentre muitas que pipocaram momentos depois).

Segundo o artigo, assinado pelo jornalista João Varella, o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) abriu um processo contra a Sephora e contra três blogueiras de moda para investigar se, na ocasião da abertura de uma unidade da marca no Brasil, as sugestões de compra publicadas pelas blogueiras em questão seriam espontâneas ou se seriam publicidade não sinalizada.

A partir desta matéria, outras foram publicadas, assim como comentários e posts nas redes sociais sobre o caso. São múltiplas as perspectivas sobre a recente polêmica: muitos afirmam que estava demorando para o Conar se manifestar com relação à publicidade em blogs; outros de que trata-se de uma manobra dos grandes meios de comunicação para minar a força dos blogs, já que estes estão recebendo investimentos de várias empresas; outros sinalizam para as propagandas disfarçadas nas novelas (detergentes, máquinas de lavar, carros etc.) e em alguns programas de entrevistas, de auditório, entre outros, que não são investigadas; ou seja, há vários olhares direcionados para o mesmo fato.

A intenção de trazer este caso à discussão não foi para condenar as blogueiras, a Sephora ou os meios tradicionais, que disfarçam seus jabás em forma de “cotidiano”, por exemplo, nas novelas, mas para reacender a discussão sobre como os blogs precisam zelar por sua credibilidade. Publicidade nos principais meios de comunicação (revistas, jornais, programas televisivos etc.) é mais do que conhecida. É justamente ela que mantém grande parte desses meios em funcionamento. Coma consolidação dos blogs também como um meio de comunicação, uma mídia a ser levada em conta pelo seu poder de alcance e proximidade com o leitor, a publicidade também passou a bater em nossa porta, através de publieditoriais, tweets e menções patrocinadas no Facebook, banners, fam trips, entre outras formas de divulgação.

Assim como as mídias tradicionais têm na publicidade uma forma de manter suas estruturas, muitos blogueiros, que estão investindo na profissionalização de seus espaços, também encontraram nesta seara uma forma de gerar uma renda extra ou até mesmo a sua renda total (muitos desses espaços, inclusive, tornaram-se empresas). A problemática da publicidade nos blogs, assim como nas mídias tradicionais, não está na presença da publicidade e do capital investido, mas na forma como esta é veiculada. O erro está na publicidade mascarada e não sinalizada.

Se uma empresa procura seu blog para anunciar um produto, você pode e deve negociar preços, prazos, formas de pagamento etc. O único ponto não negociável é a obrigatoriedade de sinalizar a publicidade em seu espaço (seja através de tags, banners ou uma observação). Apesar de muitas empresas estarem alinhadas com esta necessidade, há muitas que tentam ludibriar o consumidor e não são raras aquelas que pedem para que um post pago não seja sinalizado como tal.

 O blogueiro pode até ganhar com aquela campanha, com um determinado produto, escondendo a publicidade e fazendo “média com a empresa”. No entanto, no momento que a “bomba estourar”, como no caso da Sephora e as blogueiras de moda, certamente estes acordos de cavalheiros não serão mantidos. Cada um defenderá seu lado e sua versão e, como a corda sempre rompe no lado mais fraco, certamente quem perderá a credibilidade é o blogueiro, já que as grandes empresas possuem advogados e assessoria de imprensa a postos para resolver seus problemas judiciais e de imagem. O blogueiro, que tinha como principal capital sua credibilidade, perde o que tem de mais valor: a crença e a confiança dos seus leitores, afinal ninguém curte ser enganado. O jabá, antes tão atraente, passa então a ser indigesto, difícil de engolir.

----------------------------------------

Janaína Calaça é blogueira e escritora. Fundou o blog  Jeguiando em 2008.

Publicado em Mercado Tags ,

15 COMMENTS

Avatar
Anna - posted on 25/08/2016 10:59
Reply

Nossa, estou começando um blog de viagens agora… não sabia que os bastidores tinha esse vuco vuco todo não… Fico até com medo de escrever alguma coisa e depois descobrir que não podia escrever, acho que as regras deveriam ser mais claras, ter um espaço que fale sobre isso ou coisa parecida. É provável que já exista, mas se não é nitidamente divulgado, as pessoas vão ter dificuldade em aprender.

Avatar
Carlos Monteiro - posted on 30/05/2014 09:56
Reply

Muito bom este texto e a discussão para os blogueiros. Obrigado.

Avatar
Jo Ribeiro - posted on 22/10/2013 05:19
Reply

Olá, adorei a sua matéria…bjs

Avatar
Fernando Ricardo - posted on 27/09/2012 14:25
Reply

Tirando o Fatos e Fotos e Uma mala pelo mundo.Todos querem Jabá!!!!!!!!!!!Agora mesmo vai ter um seminário que muitos tolos irão.Mas fazer o que ????Cada brinde oferecido é uma propaganda .Pq n oferece sem publicidade.Pior que parece algo tipo Tim Jones.Ninguém questiona nada.Eu acho que alguns blogueiros inclusive os mais famosos perderam a mão pelo vil metal.

Blogar e coçar, é só começar! | ABBV | Associação Brasileira de Blogs de Viagem - posted on 17/09/2012 13:23
Reply

[…] é que vai determinar a reputação do blog. A propósito disso, sugiro que você leia este post aqui para entender tudo […]

Avatar
Erica - posted on 14/09/2012 00:05
Reply

acho engraçado vocês dessa associação criticarem o jabá. muitos dos sites que fazem parte da abbv sao uma verdadeira falácia. um dos blogs fundadores mesmo só faz fam trips, press trips, e nada de viagens pessoais, sem ser custeado por terceiros. outro então, nem se fala, o cara foi pra meia dúzia de praias no nordeste e acha que é turista profissional. faça-me o favor. dessa lista respeito o blog viaje na viagem e o conexão paris. a malla pelo mundo também é digna de respeito.
agora, vamos colocar mais critérios né moçada!?
o fatos e fotos de viagem, blog que realmente tem conteúdo extenso e pessoal, nem afiliado a vocês está. Será que vocês não estão invertendo valores? e saem por aí criticando jabá, empresas de cruzeiro e CVC?
ah, duvido que tenham coragem de publicar meu comentário.
erica

ABBV
ABBV - posted on 14/09/2012 14:18

Erika, em primeiro lugar, seja bem-vinda! Não moderamos comentários. Todos são publicados, fique à vontade pra opinar. Entendemos sua posição e ficamos felizes que você goste de vários blogs que possuem integrantes na diretoria da ABBV.

Só isso mostra que não temos opiniões tão divergentes, não é mesmo? Quanto às divergências, que bom que elas existem, é assim que há evolução. Não pretendemos que todos concordem com 100% do que dizemos, de forma alguma. Críticas construtivas são muito bem-vindas e serão ouvidas.

No que tange às fam trips, viagens a convite, etc, só fazemos um reparo: jamais dissemos que somos contra elas: somos contra blogs que fazem fam trips ou posts patrocinados sem avisar seus leitores disso, o que é contra o Código do Consumidor, inclusive. No mais, temos a dizer que nossas avaliações são bem criteriosas e temos nos esforçado ao máximo nesses poucos meses de existência. Volte sempre, Abraços !

Avatar
Poliana - posted on 03/11/2013 18:12

Sinta-se a vontade para dar uma olhada no meu blog, sem jabá, anúncio ou algo similar.
http://www.comendochucruteesalsicha.com.br
e veja o de tantos outros associados A ABBV antes de tecer uma crítica tão generalista.
Abraços, e boa viagem!

Avatar
Ana Paula Fidelis - posted on 11/09/2012 23:21
Reply

Depois de ler este texto, resolvi escrever um post em meu blog a respeito, pois não caberia em um simples comentário. : )
Abraços!
http://wp.me/p2ohYO-k7

Elocubrações sobre Blogs e o famoso Jabá « entreviagens - posted on 11/09/2012 23:13
Reply

[…] depois de ler dois artigos (um da Danny Miranda no Café com Blogueiros e o outro da Janaína Calaça na ABBV) falando sobre o tão famoso jabá, resolvi escrever a […]

Disney4Fun
Disney4Fun - posted on 06/09/2012 13:27
Reply

O tal Jabá é um ato tão covarde que deveria ser tratado como hediondo. Somos enganados por pessoas e empresas que parecem zelar pela responsábilidade,integridade e credibilidade, passou da hora de acordarmos e deixarmos de ser o país da pizza.

Vamos torcer e ficar de olho para que o CONAR cumpra a lei, nem mais, nem menos.

Vlw

Avatar
Destino Miami - posted on 05/09/2012 10:47
Reply

Credibilidade e’ o maior patrimonio de uma blogueira e como tal deve ser zelado. Deixar claro que o post e’ patrocinado e’ indispensavel.

Avatar
Cristina Rosa - posted on 05/09/2012 10:37
Reply

O texto está muito bom e super esclarecedor. Credibilidade é tudo na blogsfera e tem que fazer a coisa bem feita para nao ter problemas depois. Afinal, confiança é difícil de ser reconquistada.

Avatar
Mô Gribel - posted on 05/09/2012 10:28
Reply

O merchandising em novelas e programas de tv há anos é sinalizado. A mensagem aparece nos créditos ao final da apresentação. A prática foi muito condenada até que virou ‘lei’ e dificilmente se vê hoje propaganda em novela sem que apareça nos créditos ‘merchandising banco xxx, preduto yyy’.
O que não aconteceu nestes blogs, onde tudo é disfarçado como ‘dica de amiga’. Eu sinceramente torço para que essa prática seja banida para sempre dos blogs porque é muito desonesto com o leitor.

Avatar
Janaína Calaça - posted on 09/09/2012 22:02

Mô, apesar de sinalizado, o merchandising em novelas e programas de tv é disfarçado e chega aos olhos da audiência no momento em que esta se encontra mais relaxada e mais afeita às influências externas – como a da personagem que põe a roupa para lavar na máquina da marca tal ou que compra o carro tal. Apesar de sinalizado, o merchandising se encontra nos créditos, que quase ninguém lê. Talvez colocar um pequeno aviso nas cenas fosse mais eficaz e mais honesto. 🙂


Deixe um comentário